Do Minho para Macau: O Canadian Portuguese Historical Museum

[From Minho to Macau: The Portuguese Canadian Historical Museum]

Escrito por Daniela Costa

Situado em Etobicoke, o Canadian Portuguese Historical Museum (Museu Histórico Luso-Canadiano) é um local notável, onde a história se cruza com a arte e onde se exibe a cronologia histórica dos Portugueses, desde a terra natal ao Canadá. Desde 2009 que este museu se situa no edifício da Ferma Food Products, uma empresa local gerida por portugueses, que disponibilizou o espaço para a rara e fascinante coleção de obras do museu. O objetivo do museu é preservar o espírito cultural e as memórias históricas da comunidade portuguesa no Canadá. Desta forma, pode servir de inspiração a outros e levá-los a preservar a sua história também.

António Alves, Fundador do Museu de História Luso-Canadiana. Museu de História Luso-Canadiana

O Canadian Portuguese Historical Museum oferece uma representação vívida da história de Portugal. Uma passagem pelos corredores do museu garante que todos ficam a saber dos contributos de Portugal para o mundo em geral. Acima de tudo, o museu também destaca a experiência luso-canadiana. Desde uma estátua a representar o primeiro português a pisar solo canadiano até um acordo de amizade assinado entre as cidades de Toronto e de Lisboa, o museu parece ter tudo. Para além da coleção de arte, posters e outros artigos de coleção, o museu tem também duas salas cheias de livros, jornais, vídeos e inúmeros materiais sobre o património português. Devido às limitações logísticas, já começa a escassear neste local único espaço para pendurar quadros e guardar a sua coleção, que não para de aumentar. Todos os pedaços de história procuram construir um sentido de identidade português. O museu esforça-se por apresentar os jovens, em particular, ao património português para que o acolham como seu.

Com efeito, a comunidade portuguesa de Toronto deve sentir-se orgulhosa deste pequeno tesouro, que superou muitos desafios para manter as portas abertas a todos. As crianças visitam o museu ao longo do ano letivo, o cidadão comum passa por lá ocasionalmente, e o museu também patrocina concursos de escrita para jovens.

O museu já fez um longo percurso, desde que António Alves, o seu fundador, iniciou o projeto com um pequeno conjunto de artigos que pouco se assemelhavam a um museu. Natural de Lisboa, o Sr. Alves chegou ao Canadá em 1959 e deu seguimento ao seu interesse por história e património, trabalhando como voluntário no First Portuguese Canadian Cultural Center (Primeiro Centro Cultural Luso-Canadiano). Em 1986, os Amigos de Lisboa doaram a primeira peça do museu, uma bandeira portuguesa. As obras do museu ficaram inicialmente guardadas no espaço de trabalho da Massey Ferguson, um fabricante de equipamento agrícola. Depois, sem uma casa permanente, a coleção esteve numa série de locais. Vários clubes e associações portugueses disponibilizaram espaço ao Sr. Alves, caso a coleção se concentrasse na sua região de Portugal em particular. O Sr. Alves recusou, pois tinha como objetivo promover a história e o património de todo o povo português, em Portugal e aqui, na cidade. Queria que a coleção representasse toda a comunidade; não só a sua experiência em Portugal, mas também no Canadá.

António Alves e Daniel Lourenço no Museu. Museu de História Luso-Canadiana

Há um ano, o Sr. Alves encontrou um parceiro para este projeto, Daniel Lourenço, que veio para o Canadá em 1967. Apesar do percurso profissional em engenharia elétrica, as verdadeiras paixões do Sr. Lourenço são história, cultura e filosofia. Juntou-se ao Sr. Alves na modernização do museu, sobretudo na parte da sua digitalização. Querem ambos expandir o museu, já que a atual localização começa a ser pequena demais. Arquivar e aceder aos extensos registos tornou-se um problema. Dada a importância do correto armazenamento de materiais impressos como os jornais, o tempo também é um fator a ter em conta. Além disso, a localização atual do museu é distante das zonas de Toronto com maior presença portuguesa, e os transportes públicos são limitados. O museu também tem falta de funcionários e de voluntários.

O museu sempre teve problemas de financiamento. Não recebe qualquer apoio do Estado e não conseguiu obter o estatuto de instituição de caridade. O Sr. Alves acredita que todos os museus culturais deveriam receber um número de caridade, pois haveria mais pessoas a fazer donativos, se recebessem um recibo por isso.

Assim sendo, o sucesso do museu serve de exemplo para outros grupos culturais. Apesar dos recursos limitados, tem conseguido cumprir os objetivos de manter vivos o espírito e o património da comunidade portuguesa. Virando-se para os jovens, o museu tomou as medidas necessárias para garantir um futuro favorável. Aliás, o Sr. Alves e o Sr. Lourenço têm o sonho de que, um dia, todos os grupos culturais da cidade possam colaborar para formar a base de um museu da cidade de Toronto. Alegam que isso mostraria Toronto no seu expoente máximo, no passado e no presente.

Uma visita ao Portuguese Canadian Historical Museum torna claro que é uma obra de paixão e empenho. Tem uma coleção única e mostra bem o trabalho árduo do Sr. Alves, do Sr. Lourenço e de todos aqueles que os ajudaram neste processo. Eles consideram o museu mais importante do que nunca, pois a comunidade portuguesa de Toronto está a ser cada vez mais assimilada pela cultura dominante, e o sonho de um Museu da Cidade de Toronto fica mais perto da realidade.

Fontes:

Interview of Antonio Alves and Daniel Lourenço, August 28, 2012.

Heritage Toronto is pleased to acknowledge the support of the Government of Ontario, through the Ministry of Tourism and Culture, for this project.

This entry was posted in Heritage Diversity Stories. Bookmark the permalink.